dia 2introdução

O² Expedição

x0
Saída28/01/2015 07:15hMalargüe (AR) - Centro
Chegada28/01/2015 18:30hRN145 (AR) - Casa Abandonada
CustoR$ 26.00Composdu lulis heil
Pedalada90.8 km5h 12'17.5 km/h
ItinerárioMalargüe (Argentina) - RN40 - Bardas Blancas - RN145

Paso Vergara · dia 1

A melhor forma de realizar um sonho é dar um passo de cada vez. E o primeiro passo da nossa viagem começa em Malargüe, território argentino, num famigerado dia-de-tudo-novo. Dia de adaptação, de entender os costumes do povo, do sol e do vento nessa latitude. Mas, principalmente, dia de subir numa bicicleta e pedalar, coisa que tava demorando a gente adora.

O primeiro dia de viagem já era o último de civilização. Malargamos da pequena cidade rumo ao sul, esperando saborear um dia leve, asfaltado, com apenas uma serrinha no meio. Nada demais para nosso paladar, sommeliers de pirambeiras no Brasil. Subimos a "cuesta del chihuido" tranquilos e logo degustávamos uma infindável descida compensadora.

Tudo indicava um dia tranquilo. Até acabar a descida e, com ela, o asfalto. Num trecho em obras nos deparamos com os primeiros indícios de areiaplanagem, um velho conhecido sistema anti-deslocamento. Nada como um pouco de patinação na areia pra refrescar. Logo aportamos em Bardas Blancas, a penúltima nota de civilização.

Enquanto uns descansam, outros trabalham. Nós com as bardas de molho e a mosquitarada mandando ver. O sol também não dava trégua: pro almoço, seis batatas da perna assadas. Um colega francês, o “dedo”, completou a mesa parada.

O editor achou incoerente interromper uma viagem internacional pra falar sobre o dedo, um francês meio peruano que estava há um ano na estrada e ainda pretendia seguir por mais 4 anos, viajando de carona dando com o “dedo” no acostamento. Por isso não iremos falar sobre ele.

Pela estrada, agora novamente asfaltada, iniciamos a lenta subida pelo Rio Grande. Calma, gaudério leitor, continuávamos em terras argentinas. Esse é apenas o rio que vai nos acompanhar por boa margem do Paso. Nessa mesma hora fomos apresentados a outro fiel companheiro: o vento contra. Contra não, carente. Um vento fresco, que insistia em se exibir e chamar nossa atenção.

Pegados ao vento, avançamos pouco e começamos o jogo do acampa-ou-não-acampa-logo. Tentamos a velha tática de parar numa venda pra cogitar um cercadinho pra acampar. Sem sucesso. Apelamos para o clássico acampamento ao lado da polícia, que lá atende por Gendarmeria Nacional. Sujeitos à autorização do chefe do posto, que só chegaria mais tarde, fizemos uma parada estratégica no Rio Potimalal. Ali testamos o fogareiro e o chuveiro portátil, ali tomamos o primeiro banho andino. Longas pausas revitalizadoras se mostravam boas companheiras, também.

Já era tarde e, como seu lobo não vinha, pegamos a ruta novamente. Logo encontramos outra obra na estrada, alguns operários encerrando o turno. Conversa aqui e ali, ninguém se responsabiliza mas alguns sugerem: adiante tem uma casa quase abandonada. Já sem opção, decidimos que seria lá mesmo. Apesar do receio de que alguém chegasse, passamos o primeiro pouso bem abrigados. O vento dormiu ali, também. Mas passou a noite toda se mexendo.

Foto²s

Foto² 1
arrá! mas, não foram pedalando?! pegas no pulo, quase voando pra santiago

Foto² 2
vossa majestade, o heil! animação na espera dos súditos, rodoviariando em mendoza

Foto² 3
especulando: como seria pedalar do 2º andar? busando pra malargüe (malar-gú-ê)

Foto² 4
enfim, partida! agora sim, chega de propulsão não-animal: melargueee!

Foto² 5
nós vamos pra cá, pessoal. só contornar o pequenino cerro ali à esquerda

Foto² 6
selfie pra trás na frente do espelho. peraí, hein?!!

Foto² 7
ôÔô, rapazes, isso não tá me cheirando bem...

Foto² 8
taí o malcheiro! melhor passar rápido pelo morrinho macabro

Foto² 9
tudo bem que o acostamento é bruto, mas precisava enfiar a placa no meio dele?

Foto² 10
iarruúl, "V" de vergaraaaaa!

Foto² 11
não. paso vergara é só depois de bardas blancas... (uns 35km depois, por sinal)

Foto² 12
quê? que asfaltitude é essa? ó a paralelovia todinha de terra aí, cicloturistas!

Foto² 13
no fundo, o cerro el sosneado. pertim, pertim: 100km atrás e 3000m acima

Foto² 14
calma, que o socorro tá chegando pra tirar você daí, du!

Foto² 15
e essa aqui é a parte da viagem que tem trânsito. calcule!

Foto² 16
el departamento de señales advierte-se-lo: señalización solo fuera de los bordes

Foto² 17
não por nada, pessoal, mas recomendo aproveitar toda sombra enquanto houver!

Foto² 18
essas montanhas não lembram o arce, assim com a espinha à mostra?

Foto² 19
cruzando o rio maquimalal. aqui na argentina é o rio que passa sobre a ponte. mas só quando tá afim

Foto² 20
até que não é ruim. na rússia, o rio passa por cima de VOCÊ!!!

Foto² 21
mr heil é... mario mutis, multinstrumentista de los jaivas. mais de 50 anos de música chilena!

Foto² 22
du é... zéu britto, figura mitológica da nova MPB (música popular baiana)

Foto² 23
lulis é... bono, a última bolacha do pacote de óculos de cores duvidosas

Foto² 24
lembram da espinha exposta da foto 18? ééé, foi osso!

Foto² 25
difícil ler a placa, né? diz: RN40 (vermelho): pedalea, cabrón!

Foto² 26
pequeno panorama da cuesta del chihuido. bah, e como custou!

Foto² 27
olha o nível da subida! praticamente em curvas de nível

Foto² 28
daí sobe, daí ali, onde o mundo acaba, você vira à esquerda

Foto² 29
ops, direita

Foto² 30
que seja, parece que o mundo faz a curva aqui. e olhe que ele é todo curvo!

Foto² 31
hum... aquela montanha da foto 5, finalmente vista de outro ângulo

Foto² 32
já não tinha avisado? olha aí o mr se escondendo na sombra da própria sombra

Foto² 33
flagra de ultrapassagem perigosa. no caso, perigoso é pedalar no acostamento tirando foto

Foto² 34
aproveitando um pouco da vegetação local, algo raro durante a travessia do paso vindouro

Foto² 35
vindouro não é o nome do paso, não, o paso é vergara!

Foto² 36
rapaz, flagra só essas curvas!

Foto² 37
ééé... não tá alfafácil pra ninguém!

Foto² 38
dominando o cenário com seu penteado exótico, o cerro palao mahuida

Foto² 39
opa, cessou o asfalto? cabalisticamente, aqui na foto 39 deixamos a ruta 40

Foto² 40
definitivamente, deixamos pra trás a ruta 40 e o amor próprio

Foto² 41
ah, em obras! de certo pra corrigir falhas como placas no meio da rodovia

Foto² 42
sério: não te impressiona o topete dessas montanhas argentinas?

Foto² 43
adivinha, tchê! bah, bah, esse aqui é o rio grande, bagual!

Foto² 44
e o fim da ponte sobre o rio grande. quando é grande passa por baixo da ponte, mesmo

Foto² 45
é isso aí: bardas blancas! e é meio que só isso aí, mesmo

Foto² 46
paradinha pra dar de comer pros ciclistas e pros tábanos (mutucas que hablan español)

Foto² 47
prôfe, isso aqui me esclareceu todas as dúvidas da 4a série sobre placas tectônicas

Foto² 48
ah, folgados, de volta às rodovias? essa a RP145, por sinal

Foto² 49
folgado??? você não tem noção do quão contra tá o vento por aqui!

Foto² 50
tem uma placa lá na frente que diz "bienvenido a la fotografía cincuenta"

Foto² 51
acostamento aqui serve pra ancorar quando para, senão o vento leva de ré!

Foto² 52
mais alguém aí percebeu que os contatos da montanha tão meio oxidados?

Foto² 53
e aí ela disse: sempre tem as sombras das pedras, né? huahuahua

Foto² 54
valorizando o que se tem de mais precioso: sombra, água, amizade, protetor solar e bigode limpo

Foto² 55
lê-se: almacén. entenda-se: sólo se abre cuando queremos

Foto² 56
sorpresa! olha quem pintou por aqui!

Foto² 57
qualquer aglomeração de verdes aqui é bom sinal, sinal de que vai ter um pouco de sombra

Foto² 58
vô? num vô. vô? ôôô, "vô" não, gurizada, olha o respeito!

Foto² 59
destaque pra roupa de mergulho do mr assistindo a demonstração dos golfinhos albinos

Foto² 60
lê-se: rio potimalal. entenda-se: vão demorar muito aí na água?

Foto² 61
raro repouso arborizado pros cavalos

Foto² 62
opa, agora sim: cavalos pedindo pouso en la gendarmeria arrrentina

Foto² 63
e o amistoso resultado do pedido foi, é, bom... tá claro aí, no soltar das tiras

Foto² 64
olhando pra trás, tá lá o cerro palao mahuida. nem se mexeu

Foto² 65
e o asfalto? acabou de novo. só não acabou a esperança de achar um pouso!

Foto² 66
chega logo, vergara, que esse trânsito tá muito avacalhado!

Foto² 67
bah, boas chances de parar aqui: grandes chances de ter sombra a noite toda!

Foto² 68
daí você olha pra trás e pergunta: vale?

Foto² 69
tá meio-abandonado, meio-que-não, mas a esta altura da lua... acho que vale

Foto² 70
os vizinhos foram espiar, assim, meio desconfiados da visita. tudo cabrêro

Foto² 71
taí, o refúgio da noite. bem protegido, embora o vento não tenha ligado muito pra isso

Foto² 72
daí o replay da foto 68, só que anoitecendo, confirma: ô, se vale!

· essa expedição não acabou ·

Terminou a viagem por hoje?
Não deixe amanhã de lado: dia 2

Renato
[15/12/2015 21:24h]
Sensacional! Que tal o Mr. Heil de Jacques Cousteau?
o² expedição
[18/12/2015 11:54h]
Valeu, Pedaleirão! Podemos tentar, mas "el bigodón" sempre cairá melhor no estilo velho-oeste do que documentário ;) Abraços!
IRY FRANCISCO SMIDERLE
[16/12/2015 09:47h]
Essas pedaladas não fiscais que são as verdadeiras pedaladas. Com certeza foi um dos melhores passeios que vocês fizeram, apesar de todas as situações desconfortáveis. Acho que valeu a pena. Abraços IRY
o² expedição
[18/12/2015 11:58h]
Bom amigo e incentivador Dom Iry, tens mais do que razão. Desconforto passa, boas lembranças permanecem. Ainda mais hoje em dia, que permanecem até em vídeo - e publicamente! ;) Seguro que Valeu! Obrigado!!! Grande abraço!
Fabrício Souza
[17/12/2015 09:01h]
Excelente pedal em 7 dias uma bela aventura, as fotos ficaram magnificas, Parabéns Odoises!!
o² expedição
[18/12/2015 11:59h]
Valeu, Fsfsfsfs!!! Se bem que, com essa paisagem estonteante, temos que admitir que não foi muito difícil fazer boas fotos ;) Hábraços!
mildao
[17/12/2015 09:49h]
Epetacularrrrrrr!!!!
o² expedição
[18/12/2015 12:01h]
No: Ê-pê-tá-cu-laaaar! hahahahahha, Valeu, Mildão! Hábraços!
Paulo Boing
[17/12/2015 11:38h]
Ai que me refiro...
o² expedição
[18/12/2015 12:03h]
Aqui mesmo? =D
Tio Kiko
[18/12/2015 10:04h]
Fantástico. Maravilhosas fotos,muitas dignas de cartão postal. Estão de parabéns o trio pela coragem e pela dedicação de montar todo este trabalho de fotos e textos (os textos não li ainda, mas prometo que vou ler) ABRAÇOS A EQUIPE E FELIZ NATAL
o² expedição
[18/12/2015 12:12h]
Mr KK! Valeu! Isso que as fotos não captam nem metade da beleza do lugar, pense! Obrigado pela força - que vem desde a época das camisetas da tigre! Kk! Promessa é dívida, vamos aplicar o teste de conhecimento nas festas de fim de ano =D Abraço enorme e ótimo natal por aí também! HO HO HO, como diria o outro bom velhinho. =)
Daniel Brooke Peig
[08/01/2016 21:56h]
As excelentes fotos, relatos e vídeos desta página fizeram as memórias que tinha deste percurso regressarem como se fosse ontem. Meus parabéns.
o² expedição
[18/01/2016 23:56h]
Pô, que massa, Daniel! Nesse caso, esperamos que tenhamos retribuído um pouco da inspiração do roteiro. Obrigado pelas generosas colocações! Grande abraço e obrigado!!! ;)
Rogério Leite
[04/02/2016 09:31h]
Eita! Próximo desafio, CAMINHO DE SANTIAGO... 800 km, com menos asfalto e mais ladeiras... Depois, ROTA DA SEDA, de Veneza a Pequim! kkkk... Grande pedalada odoisianos!
Alexandre Moro
[05/02/2016 14:22h]
Parabéns, linda expedição e edição de vídeo idem!
Adriano
[12/03/2016 19:29h]
Que viagem!! Parabéns ao trio, muito inspirador.
Monica
[21/03/2017 20:27h]
Galera, amei o site ! Estou pensando em fazer a rota no inicio de abril. E possivel fazer sem acampar ? Tem refugios/pousadas/ lugares onde ficar sem acampar? Valeu !
o² expedição
[28/03/2017 14:35h]
Olá, Monica! Boa pedida, é espetacular essa travessia! Mas é pouco provável conseguir fazer sem acampar, o trajeto é bem inóspito. Talvez consiga alguma hospedagem nos extremos dela (Las Loicas, Los Queñes), mas o resto é perrengue mesmo ;) Hábraços!
Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2017 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0