dia 2introdução

O² Expedição

Cicloporteirismo

Modalidade de corrida equestre dotada de obstáculos, pormaisque estes normalmente utilizem bicicletas.

Nossa Senhora das Pedras

No município de Palmeira, próximo à divisa com Campo Largo, encontra-se N. Sra. das Pedras - uma pequena localidade onde, reza a lenda, pode-se ver a imagem da santa nas reentrâncias de um paredão de pedra. Defronte ao paredão ergue-se a modesta capela de N. Sra. das Neves, em cuja honra celebra-se um popular festejo no início do mês de agosto. O local conta com infraestrutura de banheiros e churrasqueiras próximos à capela. Por uma trilha é possível chegar à base do paredão, local propício para prática de rapel, caminhada e, claro, contemplação. Da região é possível vislumbrar o declive entre o segundo e primeiro planaltos paranaenses.
Referência: Paraná, Brasil: Turístico, Ecológico e Cultural - Empresa das Artes, 2005.

Acesso: Pela BR376, sentindo Curitiba - Ponta Grossa, 4,5km após a praça de pedágio de Witmarsum, saindo à direita na estrada de terra emoldurada por grandes pinheiros enfileirados. São 6km por este caminho, sempre pela via principal, até a porteira de acesso ao local, indicada por placas.

Travessia Cercado - Passo do Pupo

Partindo da localidade de Cercado, município de Palmeira, é possível percorrer caminhos por entre fazendas até as proximidades de Passo do Pupo, já em Ponta Grossa. O caminho corta o alto da Serra de Itaiacoca, possibilitando a contemplação daquele que é considerado o valor cênico do município: a paisagem em perspectivas de longa distância. São cerca de 30km por pavimento estritamente cicloturístico/equestre, com direito a paradas nas piscinas naturais dos belos riachos afluentes do Rio Tibagi. Não há nenhuma infraestrutura em todo o percurso.
Referência: Plano Diretor de Ponta Grossa.

Acesso: Se pretende percorrer este caminho tenha consciência que atravessará propriedades particulares, tendo obrigação de se manter nas vias traçadas, abrindo e fechando todas as porteiras pelas quais passar (são pelo menos 10). Dada a ausência de orientações e as frequentes conversões e mudanças de sentido, recomenda-se o uso de um GPS. Consulte o traçado nas georreferências desta viagem.

x0
Saída18/02/2012 07:43hCuritiba - Capão da Imbuia
Chegada18/02/2012 18:30hPonta Grossa - Cachoeira da Mariquinha
CustoR$ 11.20Compos+du lulis cheps
Pedalada116.0 km7h 19'15.9 km/h
ItinerárioCuritiba - BR277 - BR376 - Palmeira - RMs - N. Sra. das Pedras - RMs - Serra de Itaiacoca - Capão das Almas - Faz. Bugio - Cachoeira da Mariquinha

NSrª das Pedras e Alagados · dia 1

Nossa fé nos caminhos que levam às entranhas dos Campos Gerais é uma ladainha ciclística. E entre tantas rezas, reza a lenda que uma relíquia perdida se esconde entre o Cercado de Palmeira e Itaiacoca de Ponta Grossa: um trajeto interfazendas que corta o alto da serra e atinge o Buraco do Padre pelas costas (com todo respeito, claro).

Partimos pela Rodovia do Café de manhã, pedal-ante-pedal. Nas estradas de terra areia, nossas desajeitadas areiaplanagens denunciavam a proximidade dos Campos Gerais. Antes que tivesse início o festejo carnavo-religioso local, acercamo-nos da região de N. Sra. das Pedras em busca da lendária imagem da Santa esculpida no paredão e no imaginário do povo. Entre o visível e o invisível, levantamos o ciclo às pressas na ânsia de apostolar o cicloporteirismo.

Nenhum de nós conhecia o trajeto prometido. E, embora o GPS profetizasse o caminho, havia tensão na expectativa de tantas porteiras a transpor. Não que abrir e fechar porteiras apresente alguma dificuldade intelectual: se tá fechada abre e fecha; se tá aberta, tá aberta, oras!

Editor II: - Afirmação questionável!
Editor I: - Hã?
II: - E se a porteira estiver em um estado intermediário? Por exemplo, 70% fechada (30% aberta para otimistas)?
I: - Sempre levamos um transferidor para, nestas ocasiões, posicionar a porteira no ângulo original.
II: - E o vetor resultante do somatório complexo de porteiras fechadas (-) e abertas (+)?
I: - Permutação derivativa de um mol de 9 porteiras bivalentes em sistema fechado: menos com menos dá mais; mais com menos dá menos; com dois menos dá mais ou menos... humn...
II: - Difícil?
Editor III, sobre uma porteira: - E a dificuldade político-territorial de uma potencial porteira trancada (-)² não é agravante?
Editores I e II, sobre as bikes: - É. Pedalemos.

Independente da polarização, a travessia é um dos caminhos mais bonitos da região. Pouco movimento, passagens em florestas, córregos pelo caminho (literalmente) e, como tudo tem seu ônus, trechos da semi-impedalável areia fofa. Com o sol largando os bets (e o cheps), encontramos o familiar caminho para a Cachoeira da Mariquinha: a tal travessia atravessava mesmo! Chegando ao pacífico refúgio de acampamento, descobrimos que por ali o sossego ditava notas:

- Eu quero tchu! Eu quero tchá!
- Nossa! Nossa! Assim você me mata!

Mariquinha, ó, mariquinha! Tu, outrora tão bucólica, entregava-se ao carnaval. Sorte nossa acampar mais longe, ao lado da sede da fazenda, acompanhados do sossego e dos cachorros locais. E se nessa altura nossa fome de jantar era grande, a dos cachorros era canina (pergunte praquele que ficou com macarrão até a orelha (e pro que comeu o macarrão de orelha (e pro que assistiu a cena de orelha em pé))). Mas agora apaga a luz e desliga o som que amanhã tem mais caminho novo a explorar, pormaisque sem porteira (+|-).

Foto²s

Foto² 1
praticamente uma excursão saindo do sesc da esquina

Foto² 2
mas afinal, o cadeado está aberto ou não?

Foto² 3
fuscão preto rally mode activated, aparentemente não está a venda, não adianta insistir

Foto² 4
e a disputa pela liderança da prova continua acirrada, confira do tira-teima!

Foto² 5
o trânsito estava mais favorável aos veículos bicícledes

Foto² 6
compensando a ausência, uma plantação de bigodinho. ô ô ônde está o mr.heil?

Foto² 7
paradinha pra contagem das crianças, cada um pega um número

Foto² 8
todos a seus postos, devidamente descansados, agora toca pradiante!

Foto² 9
olha o passarinho! gavião em época de carnaval é fantasia, né?

Foto² 10
sem comentários sobre paradinhas no acoxamento, por favor

Foto² 11
saindo da rodovia já rola uma relaxada, seja em cama de palha, seja em cama de pinha

Foto² 12
pra quem achou que era a pinha que marcava presença, a contradição tá na mão!

Foto² 13
achou graça, foi? você ri porque não era sua bunda no barranquinho!

Foto² 14
no o² revival de hoje, ele: cheps, com modelito pop pré-orgástico

Foto² 15
mini expedicionários transitando pela terra das araucárias gigantes

Foto² 16
nossinhora, aqui vamos nós!

Foto² 17
na frente da capela, uma abençoada pausa

Foto² 18
pagão ou não, um emblemático lua-em-sol incrustado no frontão (ou na frentinha) da capela

Foto² 19
dentro da capela, nossinhora e o altar

Foto² 20
e fora, as pedras onde, diz a lenda, se pode ver a imagem de nossinhora

Foto² 21
kate, devidamente encilhada, apreciando a paisagem

Foto² 22
caminhos à vista! mandamos um emissário pra ver onde vai dar

Foto² 23
enquanto isso, a beleza aflora nos pequenos detalhes

Foto² 24
flores pra todos os gostos

Foto² 25
ok, ok, tá bonito, mas vai muito longe essa exposição botânica?

Foto² 26
não, só até o retorno da expedição de reconhecimento: bora voltar que o caminho é outro!

Foto² 27
araucária pouca é bobagem, aproveita o refresco da sombra!

Foto² 28
é, não durou muito, agora é seguir cozinhando no tapete de soja

Foto² 29
ah, que beleza, um pouco de água pra refrescar!

Foto² 30
olha o peixinho pulando! ops, molhou, foi? foi sem querer...

Foto² 31
fica chateado, não, bididu, entra no clima e para de frescura

Foto² 32
que não seja por falta de água! reflitamos a respeito

Foto² 33
se até na pedra dura, tanto bate até que fura, quem dirá na pedra arenosa...

Foto² 34
todos devidamente refrescados, o negócio é seguir em busca do elo perdido

Foto² 35
bah, guri, galllpão e gado, eu galipto!

Foto² 36
pros injuriados com a sessão de florzinha: frutinha!

Foto² 37
a estrada tá muito fofa, é? sorria enquanto é estrada...

Foto² 38
agora sim, começamos a jogar o transporteira deluxe

Foto² 39
quem mandou reclamar da estrada? agora vai pastar!

Foto² 40
não era pra levar tão a sério, podem sair das cocheiras!

Foto² 41
mais uma pausa, agora na terra dos eucaliptos pelados

Foto² 42
o ânimo contagiante da expedição, vamor tirar o prêmio de animação no palitinho?

Foto² 43
e aí, quer dar uma descascadinha?

Foto² 44
não dá pra dizer que falta diversidade de paisagem

Foto² 45
ou talvez falte um pouco... pelo menos uma rotaçãozinha de cultura, né?

Foto² 46
diz a lenda que a especialidade do roteirista é macarrão ao molho pasto

Foto² 47
reforçando a idéia da diversidade dos entrepastos

Foto² 48
rá! rá! rastejando de cansado, já...

Foto² 49
lembra do gavião da foto 9? acredita que ele seguiu a gente? pois nem nós.

Foto² 50
a dimensão da rodovia parece indicar que o período transporteiras passou

Foto² 51
você acha mesmo que vão entender a piadinha do trans-porteira se não usar um hifen?

Foto² 52
não tem problema, ainda não acabou mesmo

Foto² 53
não desanime, sempre há luz no fim do dia (ou quase isso)

Foto² 54
aqui você vê um cisne, napoleão sentado ou só umas nuvens mesmo?

Foto² 55
a poesia do belo poente e do obscuro toilette

Foto² 56
tudo bem, a poesia estava mesmo espalhada apenas nas belas cores do poente

Foto² 57
e, ao poente, os exaustos expedicionários não menos espalhados...

· essa expedição não acabou ·

Terminou a viagem por hoje?
Não deixe amanhã de lado: dia 2

Giovane
[11/07/2013 09:50h]
Muito bom o pedal... mais um lugar pra desbravar, um abraço,
Paulo Eduardo
[11/07/2013 11:30h]
Massa e hilário como sempre!!! Forte Abraço
Waldson Antigão
[16/07/2013 08:53h]
Ora, ora, mas que prazer! Parece que meus amigos reapareceram! Sempre esses pedais maravilhosos, aventureiros, cujos relatos alem de bem elaborados frazem consigo o brilhantismo das fotos! Folgo em sabe-los unidos, desfrutando desse prazer incrível que é o pedalar. Abraços.
o² expedição
[16/07/2013 23:32h]
Obrigado, mestre Waldson! O prazer é nosso em tê-lo por aqui - e esperamos outras voltas (os ciclos são feitos delas!) em carne osso e rodas (mesmo que 20") suas por aqui, vossa eminiciclescência! Em nome de Nossinhoraodoisaparecida, aquele grande hábraço!
mildao
[17/07/2013 10:09h]
Belo pedal queguidos
mildao
[18/07/2013 13:21h]
Agora que notei, isso ae é de 02/2012 :D
o² expedição
[18/07/2013 21:13h]
Mas só percebeu agora? Êêê, mildão, tá atrasado!
Adriano
[29/07/2013 22:05h]
E pensar que nessa data estava em um festival hippie tupiniquim no meio do nada, cercado de um monte de bichos-grilo, e com um monte de bandas horríveis tocando. Se arrependimento matasse...
Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2017 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0