O² Expedição

Est. Palmital

A estrada Palmital segue paralela ao rio de mesmo nome, conectando a porção continental de São Francisco do Sul (Vila da Glória) à Garuva. O caminho segue nas proximidades de Joinville (ligação por balsa), passando por poucas localidades habitadas. É transitável (mesmo de carro) e convidativamente plano, adornado por casas abandonadas e córregos limpos. Apesar da tranquilidade habitual, durante o verão (principalmente finais de semana) o trecho até a balsa recebe movimento intenso de Vila da Glória (pesca, pousadas, restaurantes).

Acessos: 1) Via Itapoá, seguindo em direção à Vila da Glória e depois desviando do acesso à balsa; 2) Via Balsa do Vigorelli, em Joinville, tomando o trevo à esquerda 8km depois do desembarque; 3) Via Garuva, em direção à Palmital e depois Baraharas.

Cachoeira do Casarão

Na área continental mais pacífica e preservada de São Francisco do Sul, localidade de Saí-Mirinzinho, em meio à Mata Atlântica, escondem-se um Casarão do inicio do século XX e uma bucólica Cachoeira. O caseiro fica ao lado do Casarão ou no trevo de acesso. Não se permite entrar na construção pois esta ainda é habitada, mas a vista externa é suficiente para apreciar as paredes de madeira e barro que sobrevivem até os dias atuais.

Uma trilha breve (15 minutos) leva do Casarão à cachoeira, onde existem piscinas naturais convidativas. Na dúvida um guia local (cachorro muito simpático) pode ajudar com o caminho. Para visitar os atrativos é necessário pagar uma pequena taxa de acesso à propriedade.

Acesso: Est. Saí-Mirim, a partir do Distrito de Saí (Vila da Glória, Baía da Babitonga) ou localidade de Saí-Mirim (pertencente à Garuva). Há uma placa indicando o acesso ao Casarão.

x0
Saída08/08/2011 06:45hJoinville - Rodoviária
Chegada08/08/2011 17:55hJoinville - Centro
CustoR$ 17.00Composdu heil
Pedalada111.0 km7h 42'14.4 km/h
ItinerárioJoinville - Aventureiro - Balsa Vigorelli - Est. Vila da Glória - Est. Palmital - Torno dos Pintos - Baraharas - SC415 - Saí Mirim - Est. Saí Mirim - Cachoeira do Casarão - Saí - Vila da Glória - Balsa Vigorelli - Joinville

Palmital e Saí Mirim

Previsão do tempo em Joinville: o de sempre, chuva com possibilidade de tempo aberto em alguns momentos (do ano). Na primeira incursão nua e cruamente planejada (e dirigida) por Mr. Heil, o anfitrião deu o melhor de sua terra vivendis, inclusive o tradicionalíssimo céu nublado.

Logo de cara já bem se vê que rodar por aqui, apesar de molhado, é mais fácil. Desnível significativo na planície litorânea catarinense é de duzentos, trezentos metros - diferente do 1º planalto paranaense que exige bastante em qualquer esticadinha (isso inclui as serrinhas da Praça da Ucrânia, Santa Cândida, Cândido Hartmann, Manoel Ribas...)

GeoNota: Onde?!!!

Ok, ok: menos Curitibanices, mais Enjoyviltudes. Na Balsa que sai do Vigorelli é possível contrastar o pseudo-bucolismo do embarque com o total-bucolismo da saída. O trapiche na área de São Francisco do Sul é um "montuadim de terra ajustada com a pá". Os quilômetros seguintes também fazem valer a vista desde o mar, nenhuma casa e nem sinal de habitação ou cultura. Até aqui algum - raro - movimento de veículos indo e vindo de Vila da Glória. A partir do início da estrada Palmital, só o caminho mesmo. A gente se inclina (assim como algumas moradias locais) a pensar que está tudo abandonado.

Novo entroncamento e recomeça a vida. O rumo é Saí Mirim, entrando e saindo da novíssima estrada do Porto de Itapoá. Toda a descontração da vida plana muda de sentido, surge uma serrinha “daquelas” rumo ao sul. A recomendação do Mr.Heil era um casarão muito antigo que há por ali, bem sinalizado - e devidamente encontrado e visitado. Isso por fora, pois ainda há gente vivendo ali - pensaríamos duas vezes antes de entrar do mesmo jeito. Pra alongar o já alongado, uma caminhada até a Cachoeira do Casarão (que pelo visto atrai mais gente do que o próprio).

Descendo a serrinha aportamos em Vila da Glória, lembrança histórica da viagem de Florianópolis. Dali o tempo resolveu incomodar de vez, chegando na base catarinense (pra embarcar na Catarinense) com um pé d'água daqueles. Diz o anfitrião que melhor assim do que os dias mais quentes do verão. Tomara.

Texto e fotos por Du, roteiro por Heil.

Expedição publicada em 10/02/2012

Arquivo GPX Arquivo KML Mapa Dinâmico
Caro leitor, tenha cautela ao utilizar as georreferências, você é o único responsável pelo uso que faz das informações disponibilizadas pelo odois.org. Saiba mais.
Georreferências

Foto²s

Foto² 1
bom dia a todos, vejam como está o tempo na cicloville pela manhã!

Foto² 2
mas não é um avião ali?

Foto² 3
quer dizer que é moleza assim o caminho? asfalto novo...

Foto² 4
asfalto é para poucos (quilômetros), não pode faltar a interminável reta do vigorelli

Foto² 5
vejam a modernidade, coloca a vara e aperta o play

Foto² 6
mr. disse que o tempo ia melhorar, toda essa esperança tá expressa no saquinho impermeável

Foto² 7
um dia tão calmo que nem dava pra ver muito vigor por eli

Foto² 8
pra você que tá meio perdido, não é a ilha do mel não

Foto² 9
tampouco guaraqueçaba, superagui ou caiobá...

Foto² 10
atenção para a infra-estrutura do trapiche

Foto² 11
vista aérea da região, consegue ver um navio lá embaixo?

Foto² 12
se conseguiu ver um navio tem uma imaginação bem fértil

Foto² 13
testando o foco da máquina. e aí, máquina, vâmo tê foco?

Foto² 14
se você já aceitou que não era um navio, considere que também não é um avião

Foto² 15
um dia calmo com a balsa cheia de espaço

Foto² 16
travessia para a outra margem concluída, o que temos por aqui?

Foto² 17
welcome to the jungle nos próximos quilômetros

Foto² 18
do despacho - ou trapiche - até o trevo para vila da glória, nenhum sinal de civilização

Foto² 19
um cultivo típico na região: filtro dos sonhos

Foto² 20
em dias quentes o caminho colabora, vários pontos de parada para um bom banho

Foto² 21
pormaisque com esse tempinho um bom banho dá pra tomar até sem o rio

Foto² 22
pouquíssimo uso do acostamento, com certeza uma estrada segura

Foto² 23
paisagem bucolicamente selecionada, até a casa foi construída pensando nessa moldura

Foto² 24
tá precisando de mais uma lavada?

Foto² 25
diz aí mr, essas manchas claras no chão são raios de sol fugitivos?

Foto² 26
referência local: moro logo ali na árvore atrás do galpão

Foto² 27
agora dá pra ver melhor qual árvore, aquela há uns 10km daqui

Foto² 28
não precisamos temer essa montanha, afinal, vamos contorná-la

Foto² 29
falando em contornar, taí a casa contorcionista

Foto² 30
visão bem orgânica do espaço, vamos integrar a estrutura habitacional com a natureza

Foto² 31
falando em integração com a natureza, não passa carro nem pagando por aqui

Foto² 32
faz algum sentido se a estrada realmente acabar naquela grande porta

Foto² 33
dá pra ver o asfalto da rodovia daqui, mr heil jura

Foto² 34
para os novos e médio novos, zoom (de quantos X?) de uma parede do início do século XX

Foto² 35
uma hora ou outra a madeira, mesmo que boa, vai perdendo a força

Foto² 36
uma varandinha também integrada com a natureza na entrada da casa

Foto² 37
uma das casas mais antigas de toda a região. casa não, casarão!

Foto² 38
algumas centenas de metros pra cima e outros pra baixo, uma grande cachoeira

Foto² 39
não dá pra reclamar da qualidade da água por aqui

Foto² 40
não é difícil se orientar por aqui, tem um cão guia voluntário

Foto² 41
temos a opção de hidroterapia na potência mediana

Foto² 42
piscinas descobertas totalizando dois ambientes

Foto² 43
aquele morro da foto 28 não era mesmo pra contornar, né? era pra escalar!

Foto² 44
sobe desce já nas terras de são chico del sur

Foto² 45
cá estamos, aportados em vila da glória

Foto² 46
esse trapiche tem história no odois pra contar

Foto² 47
é por isso que em alguns pontos a estrada parece o fundo do mar

Foto² 48
de são chico continente para são chico ilha, um forte abraço e adeus

Renato
[10/02/2012 06:06h]
Legal o casarão. Fui em dia chuvoso, com muita lama e não conheci a tal cachoeira. Mas e o subidão?
o² expedição
[10/02/2012 11:07h]
O ar-condicionado estava ligado no máximo com leves borrifadas de água gelada, até que a subida valeu pra dar uma esquentada. Mas que tem como soltar algumas tiras por ali, isso tem!
Adriano
[10/02/2012 17:06h]
Legal o passeio ... mas aquela catraca vermelha no casarão será que aceita o cartão de vale transporte de Curitiba?
o² expedição
[10/02/2012 17:51h]
Acho que não mais, pela idade dela e da casa, um dia deve ter aceitado bilhete na Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais ;)
waldson (Antigão)
[11/02/2012 14:58h]
Parece que o cachorrinho na foto do casarão estava pensando: "O que será que esses sujeitos vieram fazer por aqui?" Muito legal o passeio. Belas fotos e um relato hilário como sempre. Parabéns!
Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2016 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0