dia 3

O² Expedição

Salto Barão do Rio Branco

Com 64m de altura, o Salto impressiona pela força da queda e pelo cânion desenhado à frente pelo Rio dos Patos. Ao lado do salto funciona uma pequena hidrelétrica, o que rende ao local uma boa infraestrutura de caminhos. É possível acessar com facilidade o topo da cachoeira, com uma bela vista para o cânion. A base do salto é acessada a partir de uma escadaria com cerca de 450 degraus (e vale cada um).

Acesso: Linha Manduri, à partir da BR373 entre Prudentópolis e Guaramiranga (há sinalização na estrada).

Salto Sete

Salto menos conhecido por se encontrar em propriedade particular e longe dos principais saltos. Com altura de 77m, fica escondido entre os paredões do Cânion do Rio dos Patos. O proprietário está construindo uma ecopousada e melhorando a infraestrutura para visitantes (construção de mirante, ajuste e sinalização de trilhas). Enquanto o espaço não é inaugurado (informações em breve no site saltosete.com.br), a visitação é permitida somente com autorização.

Acesso: Linha Nova Galícia.

Salto São João

Salto com 84m de queda, iniciando o grande cânion do Rio São João. O Salto possui grande volume de água e pode ser visto de longe na própria estrada de acesso. Na entrada para visitação há uma pousada com infraestrutura de banheiros, lanchonete e piscina, sendo cobrada uma taxa de acesso para o Salto. A trilha para o mirante no topo é tranquila e curta (15min), mas é importante ficar atento aos desfiladeiros, principalmente às margens do alto da queda.

Acesso: Linha Barra Bonita, acesso à partir da Linha Ivaí (há sinalização na estrada).

x0
Saída08/01/2011 08:15hPrudentópolis - Linha Manduri
Chegada08/01/2011 16:50hPrudentópolis - Centro
CustoR$ 20.00Composdu lulis thiago heil
Pedalada63.8 km4h 10'15.3 km/h
Caminhada1.5 km1h 15'1.2 km/h
Total65.3 km5h 25'12.1 km/h
ItinerárioRecanto Rickli - Linha Manduri - Salto Barão do Rio Branco - Linha Manduri - BR373 - Linha Ivaí - Linha Nova Galícia - Salto Sete - Vila Ucraniana - Salto São João - Recanto Cassiano - Linha Barra Bonita - Prudentópolis

Prudentópolis · dia 4

Se você é um leitor assíduo do o², assíduo leitor, já deve prever esse texto de último dia. Muita rodovia, poucos atrativos, despedida, tristeza. Previsível, não é? Pois é. Então. Está errado!

Largamos na retomada do planejamento do dia anterior: a busca do épico Salto do Barão do Rio Branco. E, olhe, valeu ter deixado tal espetáculo para um momento de mais calma e iluminação. O Salto é um dos mais marcantes, com a água correndo com muita força a partir da represa, caindo em um cenário impressionante - salpicado com centenas de andorinhas. O acesso, tanto para o topo quanto para base, é facilitado pela infraestrutura da usina anexa (leia-se escadaria infinita). E agora? Sim'bora começar bem o tal último dia depois de descontar os débitos de ontem?

Por arranjos cânihonlísticos e numerológicos, para chegar ao próximo Salto (Sete (é o nome, não a contagem)) foi necessária uma baita volta passando pelo centro novamente, revisitando o caminho de onde um dia viemos (e de onde um dia certamente partiremos, independente de crença). Em direção ao não-tão-conhecido Sete, vivenciamos uma pegadinha épica do Google Earth versus mundo real:

Google Earth: uma reta só, no planalto (plano, veja só!) que beira o cânion do Rio dos Patos.

Mater Natura: uma reta interminável, com extensos e profundos vales, muitas subidas a 6km/h e descidas a 60km/h.

E isso, aclimatado leitor, somado ao fator sol-de-torrar, para acabar com qualquer resquício de reclamação de chuva. Queimadeira à parte, ainda tivemos uma baita sorte: chegamos na porteira no momento em que o proprietário, com a chave, saía. E de bicicleta! Boa, motivo suficiente para uma negociação e autorização para conhecer o Salto Sete. Por poucos instantes a mais teríamos comprado todas as subidas à toa. Tempo curto, fizemos uma rápida visita ao mirante e seguimos na esperança de uma recomposição alimentar na “Vila Ucraniana” marcada no mapa.

Lugar marcado no mapa é um conceito subjetivo. Na média do conhecimento tácito universal aplicado ao movimento rural de desenvolvimento, lugar no mapa = igreja + boteco. Pois então, ali esqueceram do boteco. Secos, queimados, cansados e longe de tudo, estávamos esparramados sem esperança no pátio da igreja: ainda havia muito chão pra percorrer e tínhamos horário espremido por conta do ônibus. E foi nesta hora de desespero que tivemos uma visão coletiva:

O Salvador: É o carro do picolé que está passando! Déizpicolés por apenas treizreais!

(vinheta divina de milagre tocando no fundo (do coração e do estômago))

O² em côro: Para o carro, para o carro, páááaaara!

Tudo bem que não foi bem uma visão: começou com uma audição e terminou com uma refescante paladaração. Mas o que interessa é que a trupe foi salva no pátio da igreja, e no final da história, a moral: salvação virá, nem que seja de Belina!

Reabilitados, retomamos: ainda tinha mais um salto pra visitar, o Salto São João (com tanta igreja e salto com nome de santo fica difícil entender porque não acreditávamos na redenção do picolé). Poucos quilômetros e aportamos no primeiro mirante, no acostamento da estrada. Víamos ali outro grande salto: uma queda forte e sonora que dava início a um vale tão impressionante quanto a do Rio Branco. Logo encontramos o acesso ao São João em uma pousada homônima: um pedaço vai carro, depois só moto, depois só bike, depois só-co-pé mesmo. Se tem um mirante que assusta quanto à proximidade (e insegurança) é esse. Mas no topo do Salto São João, ouvindo a queda rugindo e o som batendo forte no peito, acaba valendo a pena.

E no fim das contas (esse sim é o parágrafo de último dia) foram cachoeiras e cachoeiras pra mais de metro - dá quase quilômetro somando todas. Ainda extasiados e tentando absorver a experiência, seguimos para a Prudentópole dividindo o grupo entre os que voltariam de carro e os que voltariam de Princesa. No final, descobrimos que a quedinha que o o² alimentava por Prudentópolis não era à toa: esse não era um projeto para se riscar da lista dos porfazeres aventureiros - era, sim, um projeto para se orgulhar!

Foto²s

Foto² 199
se você viu o vídeo do costa verde e mar, sabe da vida eterna desses elementos

Foto² 200
uma corzinha para animar o último e agitado dia de expedição

Foto² 201
uma panoréssima do recanto rickli, bem estruturado

Foto² 202
voltamos ao modo natureza selvagem com estradas arborizadas

Foto² 203
variando entre "confio na estrutura" e "sei que está abandonada em partes"

Foto² 204
mr. heil pede pressa com a louça

Foto² 205
bom aproveitamento de espaço: duto, trilho, escada e corrimão

Foto² 206
uma queda gigante com uma praia pra lá de úmida e pedregrosa

Foto² 207
e então thiago, tem como caminhar por aí de sapatilha?

Foto² 208
o du acha melhor ficar por aqui mesmo

Foto² 209
o fotógrafo quase completo, só faltou a máquina e o restante do muro que caiu

Foto² 210
400 e tantos degraus pra baixo... 400 e tantos pra cima também!

Foto² 211
ô du, não é perigoso daí de onde você tá olhando a paisagem?

Foto² 212
perigoso! bota perigoso nisso! bota perigoso, sapatilha perigoso, chinelo perigoso

Foto² 213
pensando melhor, é mais perigoso do que eu pensava!

Foto² 214
agora, perigoso mesmo é apertar o timer e correr pra essa foto

Foto² 215
a queda é bruta

Foto² 216
acabou a alegria: muita subida de volta ao centro

Foto² 217
que centro o que, foi só um pulinho! olha a revisão de estradaaa!

Foto² 218
du já apresentando um certo cansaço, ainda bem que é só reta daqui

Foto² 219
uma relíquia bem conservada da arquitetura ucraniana: igreja arcanjo são miguel, em madeira!

Foto² 220
foi reta, reta pra cima, reta pra baixo, reta pra cima, reta pra baixo... e o mirante

Foto² 221
o salto sete ali tímido, curtindo a paisagem do cânion do rio dos patos

Foto² 222
ninguém disse que não levaríamos fumo no último dia também

Foto² 223
pormaisque que não seja fumo (mas a anterior vai pra aula de perspectiva)

Foto² 224
programa de aproveitamento de sombras. beneficie-se você também!

Foto² 225
a igreja da vila ucraniana (só que sem a vila, só tinha a igreja mesmo)

Foto² 226
aparece o último big jump da jornada, salto são joão

Foto² 227
valeu a correria, esse é tão bonito de longe quanto de perto

Foto² 228
um rodada de refrigerante para preparar os torrados ciclistas

Foto² 229
uma trilha que começa estrada, um ou estrada que começa trilha

Foto² 230
uma clareira que assusta tanto pela beleza da mirada

Foto² 231
quanto pela insegurança da pisada

Foto² 232
ponte sobre o recanto cassiano, bom de acampar também (no recanto, não na ponte)

Foto² 233
panorâmica da já prevista subida pós-ponte (desculpe, pós-f#d&#!)

Foto² 234
rumando com muito cansaço e alguma tristeza para o épico fim do épico projeto

Foto² 235
a religiosidade é realmente forte por aqui, um altar no alto do nada (ah, vá?)

Foto² 236
a fé era inclusive mais forte que os ciclistas que vinham se arrastando...

Foto² 237
e arrastando as tiras também... ou parte delas (só as que não foram soltas)

Foto² 238
um aula de alongamento onboard com instrutor du

Foto² 239
vamos tomar o último refrigerante vagabundo da saga?

Foto² 240
cansaço, queimaço, cracóvia e realização pessoal do tamanho das cachoeiras!

Johele
[22/05/2011 04:58h]
Fala pessoinhas. Caramba. Que upgrade na qualidade. Que câmera estão usando agora? Andar de onibus as vezes tb não é ruim. E vocês estão mais chics agora... hotelzinhos.
fabricio fameli
[22/05/2011 07:03h]
Vou tirar o chapéu,quer dizer o capacete,pra vocês...pedal show,show,show;e o vídeo então??!! MAS como vocês fazem com as esposas? ABx!!
o² expedição
[23/05/2011 09:13h]
Algumas alternativas: (a) agrupá-las, para que se divirtam assim como nós; (b) levar junto de carro de apoio; (c) levar junto pedalando; (d) não tê-las [curto prazo].
daguvasco
[22/05/2011 10:35h]
fantástico pedal e relato extraordinário. Vcs são hilários, dei muita risada por aqui. Show de bola... Aquele
Paty
[22/05/2011 10:44h]
Muito bom heim! Parabéns! O difícil é escolher uma foto para colocar de papel de parede.
mildão
[22/05/2011 10:54h]
O vídeo ficou "epetacular". Os brutos ficando em hotelzinho, piscininha, alforges filé, heheheheheh
mildão
[22/05/2011 11:28h]
Muito capricho nas chapas, parabéns Lulis. Caminho muito bacama, pedalzão entra na lista dos afazeres :D
o² expedição
[23/05/2011 09:14h]
É assim mesmo que começa a história, lista de por fazeres...
Renato
[22/05/2011 14:33h]
Na zdrowie! Cara, vocês estão se superando. Agora com time-lapse. Hilário, o boizinho na entrada parece quer conversar!
o² expedição
[23/05/2011 09:15h]
O boi, que foi contratado pra substituir o Lulis (câmera man), tinha mesmo essa intenção. Mas ele achou que avacalhamos nos direitos autorais e não falou nada.
Paulo
[22/05/2011 18:48h]
Muito bom !!! O video e a viagem !!!
Rodrigo Stulzer
[22/05/2011 20:55h]
Fantástico o vídeo galera, muito bom mesmo. Parabéns!!
Johele, de novo
[23/05/2011 00:32h]
Faço das palavras do Fabricio Fameli as minhas... como vocês fazem?
o² expedição
[23/05/2011 09:16h]
Resposta ali pra cima...
Roland Roberto Heil
[23/05/2011 08:59h]
Aos colegas do meu irmão Heil, queriam que voces soubessem que ciclismo está no sangue dele desde há muito. Tínhamos um tio, que chamava TIO PAULICO, que era apaixonado por bicicleta, pois vinha, lá pelos idos dos anos 60 de bike de Brusque a Itapema, algo inusitado para a época
o² expedição
[23/05/2011 09:17h]
Parece que esse sangue de Paulico é forte mesmo, o Mr. Heil só está evoluindo a cada rodada de aventura.
Johele
[23/05/2011 18:14h]
Familia Heil dando as caras. Confesso que com a entrada dele no grupo me deu mais gás e incentivo em continuar pedalando. Devido falta de tempo infelizmente não disponho de tempo para viagens como vocês. Mas quem sabe um dia.
Geh
[23/05/2011 22:53h]
Muito legal o video!! Mas ainda me pergunto onde vcs conseguem encontrar essas musicas rsrs... Amooo!! Bjao
Rodrigo
[24/05/2011 17:42h]
Quem editou o vídeo merece uma salva de palmas! P-R-O-F-I-S-S-I-O-N-A-L!
Adriano David
[06/06/2011 20:03h]
Pedal manero e realmente o vídeo é muito bem feito! Mas fala sério: passagem ônibus leito, hotel, refri sukita, barraca nova, cameraman contratado ... de onde vem o 'tutu' para pagar tudo isso! Abraço.
Arce
[01/07/2011 17:14h]
Não consigo parar de ver esses vídeos do Odois. Acho melhor eu parar de ver e começar a pedalar nos videos deles!
Taliane
[18/11/2011 15:43h]
Muitoo bom o relato. Galera tá de parabéns. Vou ir a Prudentópolis, e tenho uma pergunta meio boba, mas vamos lá, pegando a estrada do guairacá ela vai dar no salto são francisco? E depois pra chegar até pruda, como é que é, asfalto, chão? Diz aê... abraços
o² expedição
[19/11/2011 11:15h]
Valeu! O asfalto acaba uns 5km antes do Salto. Até lá é Estrada de Chão, mas passa tranquilo carro de passeio. Até Prudentópolis (pelo mesmo caminho) a estrada é mais complicada (foto 110 até foto 139).
Lucas
[17/02/2012 23:35h]
Escrevo para agradecer por socializarem o vídeo, o relato e os mapas. A descrição é bem bacana, adorei imaginar a estrada velha. Parabéns pelo divertimento/trabalho. Esse fim de semana irei fazer a viagem de vocês, mas como tô preguiçoso irei de carro rsrs
o² expedição
[13/03/2012 11:50h]
Obrigado, Lucas, é essa mesma a idéia: dividir e divertir! E a sua viagem de carro, como foi?
Francisco
[20/03/2012 11:46h]
Parabéns pela viagem e pelo Vídeo. Que câmera vc utiliza?? Temos um grupo que faz viagens assim tb. Fizemos Trilha do Telégrafo, Circuito do Vale Europeu e Chapada Diamantina. Parabens
o² expedição
[09/05/2012 00:54h]
Valeu, Francisco, obrigado! A câmera oficial é uma Lumix FZ35 =) Pedalar em grupo sempre é bom, continuem com belas aventuras como essas! Abraços!
Grei de brito
[09/04/2012 15:23h]
Parabéns pela viagem é impressionante como vcs dominam essa arte que é o cicloturismo. Sou fã de vcs todos e fico muito feliz em ter conterrâneos sou de Terra- Roxa mais vai 14 anos que não vou para essa bandas mais acompanho vcs sempre abraços
o² expedição
[31/12/1969 21:00h]
Valeu Grei! É muito bom saber que estamos conseguindo domar -ou dominar- a arte do cicloturismo (que é, sem dúvida, arte). Já tá na hora de você visitar essa bandas de terra roxa e subir e descer de bike por ali.
Geovane Krüger
[15/12/2012 10:19h]
Ola, Gostaria de saber se vcs tem os KML dessa rota de vcs. Vou sair dia 22 de bike de Florianópolis e pretendo passar por Prudentópolis para conhecer alguns saltos. Se tiver eu agradeço.
o² expedição
[15/12/2012 11:07h]
Fala, Geovane! Ali logo acima do mapa, na sessão de georreferências, você encontra os arquivos kml (google earth) e gpx (gps exchange) de todas nossas expedições. Os saltos valem um pulo em Prudentópolis, com certeza! Hábraços e boa viagem!
Gramo Charles
[14/05/2014 23:48h]
LINDO: "Um belo e gigantesco vale é a vista que aquela queda tem todos os dias, e neste vale certamente há montanhas que passam os dias a admirar a beleza do imponente salto."
MARCOS
[20/07/2015 16:19h]
parabens moçada pelo pedal... reforço todos os elogios acima e fico entusiasmado a fazer esse trajeto da serra da esperança... aproveitando gostaria de saber se foi preciso contato previo e/ou autorização pra passar em alguma propriedade particular nesse trecho de serra...?
o² expedição
[24/07/2015 00:53h]
Fala, Marcos! A estradinha é boa mesmo! Na época o trânsito foi livre, mas é sempre bom ter cautela e bom senso - vide nossa politica de uso ;) Hábraços e boas pedaladas!
Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2017 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0