O² Expedição

CicloCrossPost

Veja outros relatos desta mesma expedição:

Cicloturista Urbano

x0
Saída27/09/2008 07:40hCuritiba - Tarumã
Chegada27/09/2008 13:30hCuritiba - Capão da Imbuia
CustoR$ 7.00Compos+du lulis thiago leandro gert jonatan
Pedalada67.1 km3h 58'16.9 km/h
ItinerárioCuritiba - Pq. Barigui - RMs - Colônia D. Pedro - RMs - Campo Magro - Canelinha - Trilha do Lixão - Curitiba

Colônia D. Pedro

Inaugurando a modalidade de passeios “o o² é parceiro!” (sem duplo sentido, por favor), seguimos para a região oeste da cidade a convite do Leandro Tagliari, editor do blog Cicloturista Urbano.

Já na saída apelidamos o Talharini com um nome mais massa, digo, mais fácil de pronunciar. Não que seja justo com o sobrenome do rapaz, mas faz parte dos tradicionais costumes do o² recorrer ao uso de denominações peculiares, exclusivas e fáceis de memorizar (é por isso que aqui quase ninguém mais atende pelo nome... não é mesmo, Marquardt?).

Contrariando o costume de sair da região leste da cidade, o ponto de encontro nos foi incomum: Champagnat (o umbigorilho da capital). O navegador, neste caso o Leandro (ou Firefox, para não restringir o cardápio de apelidos), nos guiou pelo município de Campo Largo através de algumas pedreiras, chegando finalmente à Colônia Dom Pedro II.

O passeio não acabou por aí - até porque na colônia ficamos muito pouco tempo (uma foto e meia, mais ou menos). Descemos até a estrada do cerne, com direito a perder parte (du e lulis) do grupo (o grupo, oras!). De Campo Magro seguimos para um lugar conhecido por "Canelinha". A imaginação vai longe ao pensar na origem do nome, mas ao final trata-se apenas de um tipo de licor de canela que o pessoal toma por ali. Note que "pessoal" inclui os desportistas nativos - como motociclistas, que passam a todo momento. Todo momento mesmo. Tanto que chegamos à conclusão de que, sem dúvidas, Campo Magro é o berço das trilhas de motocross da grande Curitiba (duvida?). Descansamos e lanchamos em um bar local e, como não só de gramadinho e canelinha vive um homem (não nós)...

Hei! Como assim "homem (não nós)"? Fale por você, parceiro. Eu me garanto!

Retomando, ou melhor, não tomando canelinha (era esse o sentido do "não nós"), o nosso prezado Cabral (para não deixar os apelidos só em navegadores de internet e massas italianas), nos conduziu pela trilha do lixão, um lixão de trilha pros lados do Tingüi.

Não se assuste com o nome da trilha. Se você está pensando que a trilha é cheia de lixo, não se engane: acertou!

Alguns restos de construção e outros orgânicos depois, já estávamos no Pilarzinho, retornando da expedição guiada pelo grande navegador Cabeza de Vaca - ou Netscape, para os íntimos do Nhoque.

texto por Dú, fotos por Lulis. Roteiro elaborado e conduzido por Leandro.

Expedição publicada em 29/05/2009

Arquivo GPX Arquivo KML Mapa Dinâmico
Caro leitor, tenha cautela ao utilizar as georreferências, você é o único responsável pelo uso que faz das informações disponibilizadas pelo odois.org. Saiba mais.
Georreferências

Foto²s

Foto² 1
alonga, alonga. a longa descida que se sobe quando se volta por aqui...

Foto² 2
opa, nem alongou tanto. já entramos aqui?

Foto² 3
mais um pouco e já estamos no meio do mato. rápido assim!

Foto² 4
nah, não pode ser de verdade, isso tem cara de plástico!

Foto² 5
tava falando do vespeiro, não da cara do du. se bem que...

Foto² 6
...se bem que sobe. e como! e como diria o gert: subidinha de mérrd@!

Foto² 7
realmente o o² não planejou nada: só nos escoramos nesse passeio

Foto² 8
sabe que aparecer, aparecer mesmo nas fotos é uma coisa cíclica, não?

Foto² 9
aqui, por exemplo: não parece que o fotógrafo ficou pra trás?

Foto² 10
gert (o yorkshirekiller) em mais uma típica subidinha de mérr...

Foto² 11
araucárias em campo largo. existem campos largos em araucária também

Foto² 12
jogo dos 7 erros. eu já achei um!

Foto² 13
dá uma olhada e tenta adivinhar o que o gert tá falando...

Foto² 14
uma paradinha massa pra conversar com o raviolli

Foto² 15
acho que essa é a divisa entre campos largos e araucárias

Foto² 16
ó o gert! na descida dá pra compensar a subidinha de mérr, dá?

Foto² 17
sabe que a gente pegou um bom trecho de terra?

Foto² 18
poisé, não percebeu que tem terra de todos os lados?

Foto² 19
a gente tá com aqueles caras lááá na frente, é? então corre!

Foto² 20
a gente alcança o povo na curva (só porque o povo descansa na curva...)

Foto² 21
gert? sei, sei. sem palavras, né?

Foto² 22
lá no fundo tem dúzias de alfaces fantasiadas de repolho ensaiando para o carnaval

Foto² 23
pois não falei que tem terra o passeio inteiro?

Foto² 24
o tempo até estava ameno, apesar da cara de chuva

Foto² 25
pra você ver que tem cara que não se toca que fica pra trás...

Foto² 26
...tipo o fotógrafo (se bem que eu acho que isso é desculpa por ser sempre o último)

Foto² 27
pô, não dá pra renomear esse passeio como pedal do gert? ou subidinha de mérr, não dá?

Foto² 28
parada no bar da canelinha. veja pela foto que alguém já tinha soltado as tiras

Foto² 29
segundo o thi, esse líquido amarelo era fanta verde limão

Foto² 30
vai dizer que não é?

Foto² 31
opa! todo o ciclocoletivo junto (50% com a canelinha de fora)

Foto² 32
retomando a terra, continuamos seguindo a orientação do rondelli

Foto² 33
esse navegador estava desabilitado - nesta ocasião, sem suporte a extensões...

Foto² 34
essa merece destaque, trechinho bem gostoso de pedalar

Foto² 35
alguém lembra da barbie ciclista? não? nem eu

Foto² 36
o começo da trilha do lixão. o resto das fotos foi descartado por lá mesmo

Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2017 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0