dia 2introdução

O² Expedição

Morro do Araçatuba

Se você já desceu a serra da BR376 de Curitiba a Garuva em um dia limpo, com certeza viu o Araçatuba de longe. É o maior pico da região, com 1679m de altitude. A caminhada é considerada como de nível médio pelos montanhistas, possuindo duas bases de acesso. A principal fica no final da Estrada do Matulão.

Acesso: Na BR376, passando a Represa da Vossoroca, existe uma placa indicando a localidade de matulão. É só seguir pela estrada de terra e perguntar pelo Morro do Araçatuba. Mais e mais informações.

Modelo Transitivo Cargo-desportista

Sistema híbrido com realimentação negativa que induz naturalmente a transição Ciclista → Montanhista. Em essência, alimenta-se a entrada ao pedalar carregando a carga completa em compartimentos capacitivos (ou simplesmente alforjes) até a base hexadecimal da montanha, contando com um compartimento potencial reserva (ou simplesmente mochila vazia). A função de transferência implica em, durante a mudança de base, transferir toda a carga para o compartimento potencial (sim, a mochila), transitando do modelo estável ciclista para uma saída em rampa ascendente de perfil montanhista.

O modelo é claramente ilustrado pelo contraste entre as imagens 7, 8 e 9.

x1
Saída03/05/2008 07:30hCuritiba - Tarumã
Chegada03/05/2008 16:25hMatulão - Araçatuba
CustoR$ 0.00Compos+du lulis thiago cheps
Pedalada67.5 km3h 24'19.9 km/h
Caminhada4.5 km2h 45'1.6 km/h
Total72.0 km6h 09'11.7 km/h
ItinerárioCuritiba - BR376 - Matulão - Araçatuba (Trilhas)

Araçatuba · dia 1

Para evitar uma monótona passagem pela BR376, providenciamos um pneu furado em São José dos Pinhais. Enfrenteando o frio pedalando na estrada, presumia-se: a previsão para a caminhada não é das melhores... Certamente aos muitos metros de altitude acima o castigo seria maior.

Que orgulho: mais um ciclo-acampamento em montanha! E mais uma vez o Thiago fez questão de adotar o modelo transitivo cargo-desportista (hein?). Já o dú tinha um objetivo daqueles que somente o setor de projetos tem: encontrar uma área de acampamento que conheceu em expedição anterior como recruta do CPM. Há que se dizer que a montanha é um tanto grande e conta com demasiadas trilhas para que se julgue viável atender esta expectativa, mas - menos mal! - num surto de identificação por similiaridade ele conseguiu encontrar cumprir o objetivo (afinal, tem que ter um objetivo).

Nota às vacas sacanas: Não, não é nada direcionado a ninguém em específico. É que essa montanha é supostamente habitada por vacas, mesmo que não tenhamos visto nenhuma. Estas vacas criam novas trilhas a cada dia e, por motivos que competem à sua natureza, não dão nome às trilhas e nem demarcam com fitinhas coloridas o caminho, como fazem os montanhistas. Sacanas. Esse fato não é tão comum em montanhas - afinal, não existem vacas em todas. E é justo por conta desta sacanagem (fora outras avacalhações) que o Araçatuba é um caso especial de montanha que pede o uso intensivo do GPS.

Estabelecidos na área de camping, seguimos para um “cumezinho” próximo dali e também para o riacho abastecer a água. Vixi, como venta nas ventas nesse lugar! Pelo visto (e pela vista), definitivamente esta é uma das maiores montanhas da região. As provisões de suprimentos não foram das melhores: nossa janta acabou sendo dividida a partir do que o cheps tinha trazido somente para ele (coisa de montanhista de segunda - de segunda viagem!).

Foto²s

Foto² 1
foto explosiva: como trocar um pneu sob pressão

Foto² 2
mas vão se preparando, porque o clima não promete...

Foto² 3
há! adivinha o que eu tenho no meio das pernas!!!

Foto² 4
impressão minha ou essa bicicleta do dú tá meio esquisita?

Foto² 5
e pra chegar ao pé da montanha tem que subir muito, pode?

Foto² 6
o araça tá lá, escondidinho... e a chuva dando as caras

Foto² 7
thi em modo ciclista com um monte atrás

Foto² 8
modelito entregador de pizza do thiago, já prevenido contra o mau tempo

Foto² 9
foi daqui que pediram uma pizza?

Foto² 10
parecem aqueles bandidos que tentam roubar o Macalé Qualquem em umas 12 versões diferentes

Foto² 11
panorama da primeira parada, até que as nuvens não estavam prejudicando a vista

Foto² 12
entregadores obstinados s/a: a pizza vai até você, pode esperar!

Foto² 13
humn, eu vi uma nuvem em forma de gaivota aqui... dá pra ver?

Foto² 14
uma fração da enormidade que é o araçatuba com seus cocôs gigantes

Foto² 15
você acha a gente nessa foto? ache, por favor, porque a gente tá perdido!

Foto² 16
parece um duelo (mesmo que não tenha nem sinal de du ou de elo)

Foto² 17
então, a gente continua andando e não parece ter saído do lugar...

Foto² 18
quase acima das nuvens dá pra ver o céu em camadas

Foto² 19
mas essa foto denovo? estamos indo pra algum lugar, afinal?

Foto² 20
é, parece que estamos. então vamos, né.

Foto² 21
lembra da história do esqueceram de mim? é, não dá pra negar

Foto² 22
uma inesquecível e relevante visão da enrugada mãe terra

Foto² 23
fim de dia anunciado pelos raios que se inclinam de preguiça...

Foto² 24
acho que não é sempre que se vê o sol se indo assim...

Foto² 25
eu diria que não há o que se pode dizer sobre essa beleza toda

Foto² 26
montanhista solitário procura - procura ainda um pouco de sol

Foto² 27
se vai o sol, mas não sem deixar saudade (ao menos do calor)

Foto² 28
muito boa, mas não chegou de foto de céu ainda? hein?

Foto² 29
parece que não. mas parece que valeu tanta foto de céu, né plantinha?

Foto² 30
ah, sim, o acampamento! posso ir embora agora?

· essa expedição não acabou ·

Terminou a viagem por hoje?
Não deixe amanhã de lado: dia 2

Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2017 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0