expedições

O² Expedição

A Trilha da Serrinha

Se estás medicinalmente preocupado com tua pele e também possuis disposição para duas horas de trilha no meio do mato, esta trilha com certeza irá satisfazer teus anseios - ou seja: te sujar bastante (o "te sujar" só está em negrito porque não existe marronzito). Com alguma sorte conseguirás encontrar alguns semelhantes, os motociclistas, atolando de várias maneiras engraçadas suas bicicletas de propulsão não humana.

Nosssinhora!

Popular contração da popular expressão de espanto popular: "oh, minha nossa senhora!" (mesmo que hajam contradições no tocante a virgens, suas contrações e capacidade de popular). Rezam os bons costumes que, na presença de mulheres e menores (mulheres maiores também), palavras de baixo calão devem ser sumariamente substituídas pela exclamação "nosssinhora!" e variantes, paleativamente amenas embora de implícito teor equivalente. Exemplos de aplicação: "pedalar dá uma puta dor na nosssinhora!"; "parei no mato pra dar um nosssinhorão!"; "vá pra nosssinhora que te nosssinhoriu!".

x0
Saída29/07/2007 09:40hCuritiba - Centro
Chegada29/07/2007 16:00hCuritiba - Capão da Imbuia
CustoR$ 0.00Compos+du lulis thiago arce aliny kevin
Pedalada62.7 km4h 06'15.3 km/h
ItinerárioCuritiba - RMs - Trilhas - Campo Magro - Estrada do Cerne - Curitiba

Campo Magro

Se existe um local na região metropolitana de Curitiba onde os motociclistas gostam de explorar trilhas (exploração mesmo, de bater a moto contra a trilha e tudo), este lugar é o município de Campo Magro. Nós, um tanto quanto inocentes, já conhecíamos o Morro da Palha, Ouro Fino e alguns outros locais próximos. Desta vez, contudo, tivemos a oportunidade de nos "embrenhar" de verdade nestes caminhos motociclísticos.

Nota do Editor: Para não iludir o prezado leitor que normalmente crê na organização deste grupo, com alguma inocência e até com certo respeito, devemos assumir que não tínhamos a mínima intenção de encontrar trilha alguma, nosso simplório objetivo desprezivelmente sem objetividade era descer uma "serrinha" que nos levasse até o Morro da Palha.

Definitivamente há uma grande diferença entre uma "trilha" percorrida frequentemente por bicicletas e outra explorada por motos (e seus respectivos ocupantes, obviamente). Pedalando pelas estradas de saibro da região, um provável mirante nos chamou a atenção. O topo de tal mirante, tão almejado em função da árdua subida (nosssinhora!), não mirava nada - havia muita vegetação e não era possível observar nada mais do que os próprios coleguinhas. Atingidos por atingir tal topo de desmerecida atenção, seguimos a trilha que seguia após o mirante, seguindo-nos uns aos outros pelo caminho que se seguia na seqüência.

Conclusão da introdução: uma trilha de mais de duas horas nos esperava (inédito no O² (aliás, temos feito muitas coisas inéditas, não?)). Muito barro, muita lama e muito frio. Nessa oportunidade, nossos colegas Aliny e Kevin resolveram participar - considerando que, obviamente, não sabiam sobre a tal trilha. Algumas travessias com barro no joelho depois e todos já estavam no clima (clima subtropical úmido subártico lâmico). Confira as fotos dessa glob, glob, glob aventura (estes "globs" estão representando onomatopéicamente a onomatopéia "glub", só que debaixo do barro (glob!)).

Muitos vídeos e umas fotos por Thiago, muitas fotos e um vídeo (e a edição!) por Lulis, texto e comentários por Du.

Expedição publicada em 10/08/2008

Vídeo²

Arquivo GPX Arquivo KML Mapa Dinâmico
Caro leitor, tenha cautela ao utilizar as georreferências, você é o único responsável pelo uso que faz das informações disponibilizadas pelo odois.org. Saiba mais.
Georreferências

Foto²s

Foto² 1
Oi gente, to com um pouco de sono, será que demora?

Foto² 2
Consegue notar o fio de alta tensão terminando dentro da nuvem?

Foto² 3
Claramente o kevin se mostrava já flexível com relação ao passeio (esquerda)

Foto² 4
dizque o caminho é por aqui, mas na verdade o fotógrafo está indo para a foto anterior?

Foto² 5
ah não, ele tá é voltando porque nós erramos o caminho. últimos = primeiros

Foto² 6
todo mundo voltando com um baita sorriso... não custa nada subir de volta

Foto² 7
arce claramente competindo contra a sua fiel escudeira e namorada

Foto² 8
mas, enfim, ela venceu neh. Que vergonha arce....

Foto² 9
dessa vez o fio de alta tensão termina no thiago

Foto² 10
que linda plantação de grama cortada e não varrida após uma semana

Foto² 11
seria uma baita sacanagem com todo o contexto dizer idem ao 10 neh...

Foto² 12
mas bá... que araucarião.... é o espantalho da plantação de grama seca e não varrida

Foto² 13
pedalando e cantando e seguindo a canção.. me parece que aqui não há variação

Foto² 14
pô dú, sempre atrás, sempre atrás! Tá louco.. se bem que alguém tem que bater a foto...

Foto² 15
eu não disse.. tá aí...

Foto² 16
vamos esclarecer que não tem nenhum motivo para o dú ficar atrás com o fotógrafo...

Foto² 17
saltitantemente chegando ao topo do mirante sem mirada

Foto² 18
hahaah que trilha susse neh? Nem suja muito.... hehehe

Foto² 19
solte a árvore aliny, agora é hora de ter coragem e mandar ver na descida

Foto² 20
pra não dizer que não teve mirada... deu pra ver um pouco...

Foto² 21
lulis cortando a unha... ou usando o gps....

Foto² 22
arce, por mais que o amor seja lindo você tem que deixar ela ir...

Foto² 23
kevin "que susse galera, mas, cade a estrada??"

Foto² 24
dú respondendo ao kevin que, no cicloturismo, aquilo era a estrada...

Foto² 25
sorvete de flocos com manjerição?

Foto² 26
o kevin não parece um irmão gêmeo do thiago?

Foto² 27
uma hora começa a descer, afinal, em si saindo de mirante...

Foto² 28
depois da primeira grande inclinação, empolgação e um pouco de barro

Foto² 29
assim como em rodovia pedagiada, terceira faixa na subida para veículos pesados

Foto² 30
thiago preparando uma armadilha, ou melhor, a filmagem...

Foto² 31
agora sim, dú preparando a armadilha para o thiago fazer a filmagem

Foto² 32
e, ao final, o efeito da brincadeira, câmbios ao barro!!!!

Foto² 33
hum... que coragem arce... e passou pedalando o trator...

Foto² 34
a coisa só foi ficado mais fácil... o kevin se perguntando ?cade o asfalto?

Foto² 35
mão única? Maquete da lua? Bicicletas nas costas era a posição favorita...

Foto² 36
definitivamente barro no joelho e nos câmbios das bicicletas

Foto² 37
a aliny tava empolgada com a bagunça, o thiago se perguntava onde iria dar?

Foto² 38
até parece que toda a trilha é assim "passiva"

Foto² 39
passiva? O que será que eu queria dizer com passiva? Isso?

Foto² 40
ok, precisamos de uma subida as vezes... ou pelo menos o mundo precisa...

Foto² 41
o designer mudou totalmente o tom do barro nesta ocasião

Foto² 42
mas que di.... tá acontecendo aqui. É só um riozinho....

Foto² 43
subindo subindo depois de 2 horas de barro...

Foto² 44
as subidas são alegres as vezes, podemos conversar com calma, muita calma...

Foto² 45
praticamente estamos no asfalto não é?

Foto² 46
turismo não é o forte de campo magro... pizza? não, curitiba mesmo, e por asfalto (se não me engano)

Foto² 47
sombra do thiago no prédio? hey, essa foto parece em itapema não em Curitiba...

Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2014 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0