dia 6dia 4

O² Expedição

Área de Serviço:

CROA CAMPING. Rod. Tertuliano Brito Xavier, 2630, Jurerê, Florianópolis-SC. (48) 32661980. campingcroa@yahoo.com.br.

x0
Saída17/01/2007 09:30hFlorianópolis - Solidão
Chegada17/01/2007 19:00hFlorianópolis - Croa Camping - Jurerê
CustoR$ 20.00Composdu lulis thiago arce
Pedalada81.1 km4h 58'16.3 km/h
ItinerárioSolidão - SC406 - Ribeirão da Ilha - Tapera - Florianópolis (Centro) - BR282 - SC401 - Cacupé - Sto Antônio de Lisboa - Sambaqui - SC401 - SC404 - Jurerê

Florianópolis · dia 5

"Entonces, adios al sur! Vayamos arriba!" - uma introdução não cronológica do nosso dia (onde experimentamos a não ibericação pela manhã (sul da ilha) e a completa aculturação à noite (norte)). O objetivo não era necessariamente as badaladas praias turísticas do norte, mas deu nisso.

Interrompemos novamente o fluxo normal do texto para internar o terceiro editor. Reindexando...

Pra não faltar o sudoeste da ilha, seguimos para o centro passando por Tapera (se você observar bem no mapa da introdução, não tem a mínima lógica, porque aumentamos substancialmente o caminho - informações expostas pelo Dú semanas depois) e retornando à AR-SC401 para chegar no centro. Na região de Saco dos Limões tem um túnel onde é proibido circular com bicicletas. Tão tolo tão??? Fazer o que, contornando o morro conhecemos algumas marinas! Chegamos então ao centro agitado de Floripa. Após visitarmos uma agência catarina do Itaú (tá, o Lulis foi sacar dinheiro), procuramos uma refeição social no centro. Depois de algum tempo perguntando e pesquisando algo barato, algum O² teve a idéia inteligente de perguntar ao público alvo desses restaurantes baratos onde poderíamos encontrá-los. Um camelô nos mostrou dois. Depois de muito tempo, almoço de verdade (e muito almoço).

Seguindo pelas estradaix que levam ais praias popixs, saímos sentido orla marítima, em Cacupé. Depois de muito tempo margeando o oceano, conhecendo a população do oestenoroeste (ponto subcolateral) da ilha, chegamos à Sto. Antônio de Lisboa. Carregada de história, a localidade é muito agradável e rústica. Falando em rusticidade, Sambaqui é quase indígena. Não, não é pra tanto, é somente uma vilazinha mais humilde que o restante da ilha. Embora muito bacana pelas características, não foi possível pernoitar por ali e tivemos que voltar alguns quilômetros, seguindo pro norte pop.

Que venham os holofotes! É chique mesmo esse norte hein! Umas lancha, uns estacionamento de lancha, uns posto de lancha (não tinha uma bicicletaria). A choradeira pra conseguir um camping foi pior ainda, mas o pessoal do Croa Camping nos recebeu super bem. Falando em hospitalidade, encontramos uma família de argentinos (oh.. novidade), com os quais compartilhamos a cozinha. O Frederico, chefe da família e responsável pelo traslado de alguns mil quilômetros desde Buenos Aires, nos contou muitas histórias e comeu o nosso Sopão com legumes - OHHHH! Disse que estava muito saboroso, que sentia saudade de quando comia isso (que chamava de "picado") na casa da sua mãe (ééé, teve argentino tomando picado do odois nessa viagem!). Esses argentinos são muito figura.

Foto²s

Foto² 94
crianças: dêem adeus à solidão e venham comigo que hoje não quero ninguém triste

Foto² 95
às vezes eu me pergunto: quem foi a anta que inventou de comentar todas as fotos?

Foto² 96
depois me respondo: fui eu mesmo, então fico quieto e continuo comentando. boa essa foto

Foto² 97
depois de serpentear pelo miolo da ilha, cá estamos de volta à orla, ó pá!

Foto² 98
aqui estamos chegando aos túneis perpendiculares mas não concorrentes com a hercílio luz

Foto² 99
mas aqui é que se vê um pouco de lisboa, ó pá! mesmo que pareça ouro preto, ora pois

Foto² 100
carcupé que ainda temos que arranjar algum lugar pra dormir!

Foto² 101
não, não, cacupé já tinha passado. mas ainda assim as fotos ficaram bacanas

Foto² 102
no sambaqui, lá na pontinha, desmontando de cansaço e sem previsão de pouso

Foto² 103
nesse momento a discussão era: arriscamos dormir na praça (pensando nelaaa)?

Foto² 104
desculpa. aqui é que é (é, é, é) lá na pontinha do pé do sambaqui

Foto² 105
ganha um autógrafo quem adivinhar quem é o modelo que está contemplativo na foto

Foto² 106
arcertaram? será que alguém arcertou? ninguém? nem é tão difícil arssim!

Foto² 107
a foto ficou lindona, mas nem pra enquadrar o adesivo do site direito, né lulis?

Foto² 108
vamos embora que pouso e banho que é bom, por aqui, nada! não, thi, não nade!

· essa expedição não acabou ·

Terminou a viagem por hoje?
Não deixe amanhã de lado: dia 6

Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2017 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0