dia 5dia 3

O² Expedição

Área de Serviço:

Estacionamento sem nome. Depois da descida que dá acesso à Solidão, primeiro barzinho à direita. Tem que negociar do melhor jeitinho brasileiro pra conseguir um espaço pra acampar.

x0
Saída16/01/2007 10:00hFlorianópolis - Cidasc - Moçambique
Chegada16/01/2007 17:00hFlorianópolis - Solidão
CustoR$ 9.50Composdu lulis thiago arce
Pedalada43.1 km2h 42'16.0 km/h
ItinerárioPraia de Moçambique - Av. João Gualberto Soares - Barra da Lagoa - Joaquina - Campeche - Morro das Pedras - SC406 - Pântano do Sul - Solidão

Florianópolis · dia 4

Se no final da tarde do dia anterior a Praia de Moçambique tinha se revelado um lugar maravilhoso, no amanhecer o espetáculo foi mais bacana ainda. Rendeu duas linhas de fotos no arquivo abaixo - renove seu pano de fundo com o O²! Lavando louça, comendo bolachas, montando os alforjes; já tínhamos nesse momento uma rotina calma e divertida todas as manhãs. Não diferente de qualquer outra viagem, o planejamento não estava 100%, e várias eram as possibilidades e anagramas com o 5 mapas de florianópolis (apenas 1 prestava, e foi perdido neste mesmo dia - provavelmente fugido com uma sunga do lulis). Em síntese, eram dois dias para conhecer a Ilha, lembrando que o final do segundo dia seria já na AR101 rumo norte. Muito se falou sobre o sul, e sua característica idéia do exótico e da aventura. E pra lá mesmo que nós fomos.

Ainda no início do trajeto, pausa para conhecer a "tal" Joaquina. Ao contrário dos morros de areia das pedreiras de Rio Branco do Sul, as dunas pareciam um pouco mais higiênicas e paradisíacas. Revezamento dois a dois brincando no atoleiro de areia, saímos devidamente marinados rumo ao sul, pela orla marítima. Surge aí o problema, não havia bem uma orla. Na altura de Campeche, não sabiámos mais exatamente onde (no mapa) estávamos, e quando chegaria algo do tipo: você está próximo do sul. Pra melhorar, a fome era grande, e as opções de alimentação às 14hrs eram poucas e caras. O desorientador oficial do grupo (Dú) já não orientava por mapa, e sim por instinto (ruim, até a hora de perguntar pros residentes o melhor caminho que levava a algum lugar).

Sem desespero, deu tudo certo. Chegamos à localidade de "Morro das Pedras", na entrada do Parque da Lagoa do Peri. O almoço foi ali mesmo, granola com caldo de cana. A vista valeu a parada, o lugar rendeu muitas fotos e um quase tombo do Thiago (torcemos para que ele se molhasse, mas ele não o fez - contudo, se tivesse feito, torcê-lo-íamos!). Alguns quilômetros pra frente, chegamos a Pantâno do Sul, a maior vila da região sul da Ilha. Muitos turistas, mas nada com cara de camping e tampouco social food. Solução? rumar ao sul mais ainda. Naquele momento, já saindo de Pantâno, só tinhámos uma opção de pouso e estava muito além da nossa expectativa orçamentária. Sugestões vem e vão, chegamos à Solidão, o último lugar passível de transporte motorizado ao sul na Ilha. A dona de um estacionamento se compadeceu do grupo e cedeu um espaço em um terreno não utilizado. Foi o suficiente, muito legal o lugar (pra quem não tinha nada).

Muito empolgados ainda, seguimos para a praia e, na sequência, para um caminho cimentado até o lugar chamado "Saquinho" (onde, por sinal, não foi encontrada a sunga do lulis). Lá, só mesmo de burro ou à pé. Após um passeio pela praia, notamos a existência de uma trilha. A possibilidade de chegar ainda mais ao sul, e o conhecimento preliminar de uma trilha que ligava ao fim da ilha, nos fez caminhar por 01h15 sentido sul, até desistir em uma casa abandonada. Era abusar demais. Pela noite ainda caminhamos até as proximidade de Pântano, divertindo-nos com os animais exóticos da praia (cachorro x siri: the ultimate fight).

Foto²s

Foto² 52
já na chegada o amanhecer na praia de moçambique era indescritível...

Foto² 53
comentário: sem comentários

Foto² 54
candidato a pano de fundo número três

Foto² 55
está mesmo na hora de trocar aquela montanha dos teletubies do seu desktop, não?

Foto² 56
não quero parecer insistente, mas considere renovar seu desktop, de verdade

Foto² 57
e essa aqui é tão boa que só de olhar me dá vontade de afogar o ganso!

Foto² 58
o caminho que leva à praia, sem nascer do sol (é que o thi acordou mais tarde)

Foto² 59
a praia de moçambique, já não tão amanhecêntrica quanto há pouco

Foto² 60
planejamento do dia e o temático escorredor de louça em forma de chinelos

Foto² 61
uma foto do nosso acampamento (é, demorei um pouco pra tirar...)

Foto² 62
pinheiros apinhados de pinhas (e o chão não estava muito diferente)

Foto² 63
é o odois (alguma dúvida?) se infiltrando nas areias alvas da joaquina

Foto² 64
gente, gente, gente.. e como! (no bom sentido) montanhas, e areias e óculos também

Foto² 65
deix'eu adivinhar: vocês querem pedalar lá-lá-lá, não? não mesmo!

Foto² 66
fazemos assim: vão vocês que eu aqui sobro só sob a sobra do sobrero

Foto² 67
mas não é que deixaram as bikes mesmo? vão, vão, tá bem cuidada na minha mão

Foto² 68
um belo pano de fundo da joaquina com aslagoas (mesmo que seja em santascaratinas)

Foto² 69
um homem, uma aventura, um romance. de arcílius semipeladus: duna - a conquista da joaquina

Foto² 70
olha, não é por nada, mas eu queria declarar este dia como feriado nacional do pano de fundo!

Foto² 71
mais um da coleção "meu primeiro pps": pegadas na areia), numa releitura estilo "bebi demais"

Foto² 72
sabe-se que no verão espécies de ciclistas rumam para o sul em formações características

Foto² 73
sabe-se também que ciclistas de gêmeos tem dificuldades para optar entre fotos parecidas

Foto² 74
alguém reparou na estrela da viagem? será que dá pra reduzir o número de fotos arcísticas?

Foto² 75
aqui a gente tava... a gente tava em... bem.. a gente tava perdido mesmo

Foto² 76
esta é a conhecida curva que precede o caldo de cana, citada paralelamente por hercílio luz

Foto² 77
ponto de desembarque de ciclistas e outros derivados do leite (quentE, no caso)

Foto² 78
me parece que o local foi batizado merecidamente por "morro das pedras"

Foto² 79
a foto é ótima, mas não coube no quadro. digo, o quadro é ótimo, mas não cobe na foto

Foto² 80
já falei muito sobre panos de fundo hoje. já escolheu? não? então adote esse aqui

Foto² 81
ou esse... não dá vontade de estar lá? não? não dá? então fica aí na frente do micro mesmo

Foto² 82
chega de mar contra as pedras em terra firme: vamos a pântano do sul!

Foto² 83
por mais depressivo que isso pareça, estamos chegando à solidão...

Foto² 84
agora, quem disse que solidão é ruim? dá só uma olhada no panorama do mar de solidão

Foto² 85
odois em expedição... poxa, você deve estar de saco cheio de ler comentários assim

Foto² 86
é que a gente fica em expedição o tempo todo. isso aqui, por exemplo, é o descanso de fim de dia

Foto² 87
desculpe-me por ter usado a palavra saco ali ao lado. o correto é saquinho.

Foto² 88
sim, isso mesmo: essa é a praia de saquinho! dá pra fazer um monte de trocadilhinhos!

Foto² 89
meio de relance, mas essa foto é pra provar que cerveja é bom pra burro!

Foto² 90
voltando pra solidão pela trilha (?) de concreto, com o saquinho cheio de caminhar

Foto² 91
deve ser pântano do sul, mas pode me chamar ovni se você quiser, coração

Foto² 92
siri valente, enfrentou o cachorro (que fugiu) - valente e cego com tanto olho e tanto flash

Foto² 93
é um luau? um sarau? um bacanau? não, não, é só o odois depois de passar a kombi das frutas

· essa expedição não acabou ·

Terminou a viagem por hoje?
Não deixe amanhã de lado: dia 5

Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2017 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0