O² Expedição

O Morro do Cristo

Mirante do município de Balsa Nova, PR, próximo ao pedágio de São Luís do Purunã, que oferece uma bela vista das cidades de Campo Largo e Curitiba. Uma estátua de Cristo, construída por um casal de Guarapuava em agradecimento a uma graça alcançada, dá o tom místico ao lugar. Pena que uma antena de telefonia, recentemente colocada às costas do monumento, quebre esse mesmo tom.

Mais informações no guia Caminhos de Balsa Nova, parceria da Prefeitura de Balsa Nova com a Mineradora Itambé.

Pedal-com-conversa

O pedal com conversa é uma receita típica da cozinha odoisiana - uma tradição amalgamada que transcende o sentido primitivo das duas ações: nem pedalar seria tão bom sem conversa, nem conversar seria tão bom sem pedalar. É uma terceira ação que nasce da conjunção das duas e as completa e intensifica.

Alguns desavisados traçam um paralelo grotesco entre o pedal-com-conversa e o pão-com-cerveja, aludindo inclusive à aproximação fonética - pura ignorância. O pedal-com-conversa é cacofônicamente muito mais preciosista, além de atingir a mesma (quiçá maior!) profundidade filosófica intrínseca da pizza de frango com catupiry (as muzzarelas que me perdoem). Isso sem falar nas bordas recheadas!

x0
Saída06/08/2006 09:30hCuritiba - Tarumã
Chegada06/08/2006 16:35hCuritiba - Centro
CustoR$ 0.00Composdu lulis
Pedalada102.2 km5h 29'18.6 km/h
ItinerárioCuritiba - BR277 - Campo Largo - S.L. do Purunã - BR277 - Curitiba

Morro do Cristo

Domingo de sol, um atípico dia quente no inverno (se é que alguém ainda estranha isso), e saudade. É, saudade. Vontade de pedalar, só pedalar loucamente pra algum lugar longe, o tipo de coisa que bate lá no fundo das catracas de todo ciclista (me desculpem os acatracatedráticos, pode até parecer coisa de coroa, mas todo pedalante já deu pelo menos uma catracada...). Pra onde, pra onde, não sei, que tal o morro do cristo?, em colombo?, esse é o da cruz, onde então?, purunã, denovo?, denovo, pode ser. Vamos nós.

Partindo para um clássico pedal-com-conversa, saímos depois que o sol já tinha dado as caras com disposição. Disposição, na frase anterior, refere-se ao sol, que fique claro. E fique claro, nesse caso, não se refere a nós nem ao sol - por mais que ele tenha permenecido assim: claro. Óbvio =)

Seguimos para São Luís do Purunã, mas não tínhamos noção nenhuma de onde iríamos encontrar o cristo (vide nota para cristãos). Depois de algumas incursões dramáticas a supostas propriedades que poderiam abrigar o monumento, muito mato rasteiro (ou não) e bicicletável (ou nem), chegamos vendo o cristo de costas, pela face leste (aliás, face não, nuca). Um bom lugar para tirar as provisões da mochila e fazer um lanchinho - apreciando a vista e pensando na vida. É uma sensação diferente, não é montanha, é mudança de planalto, mudança de paradigma até - você se sente como se fosse uma formiga sentada no meio-fio (no bom sentido - ei, não pisa!). A vista ao longe é linda, realmente impressionante. E o cristo dá marco e magia ao local, impondo tanto respeito que mal se percebe o descuido da nova antena de transmissão, um pé no ar sacro, e da corriqueira arte escrota da pichação.

Não satisfeitos com a vista divina, ainda procuramos conhecer mais a região - desta vez seguindo a estrada! Mas a estrada logo virou estradinha, a estradinha virou trilha e a trilha, por sua vez, mato rasteiro, outra vez... Tudo bem, ainda sobrou a alegria de sentar no topo dos paredões que cercam a sinuosa descida da serra do Purunã e deixar a vista levar a mente longe... Logo voltaríamos pela BR que agora víamos serpenteando abaixo. Ainda tivemos tempo de descobrir por onde se chega ao cristo sem ter que pastar como fizemos...

E para encerrar essa romaria providenciamos de tudo, desde a foto da entrada (foto 21, não a 1!) até a referência no google earth, só para você não deixar de ir por falta de fé no caminho! Subamos e olhemos, irmãos =)

Nota para cristãos: antes que você nos envie milhares de emails com imagens e frases lindas mostrando que nós podemos encontrar Jesus no nosso coração, deixe-nos esclarecer uma coisa: o objetivo do passeio é muito místico sim, mas não era bem isso que a a gente tinha em mente. Continue lendo, veja as fotos e você vai entender, irmão. De toda forma, esperamos que você não se ofenda com qualquer citação de duplo sentido - afinal, Ele certamente tem muito bom humor também, sim senhor! =)

Nada por Du e o resto por Lulis.

Expedição publicada em 22/05/2007

Arquivo GPX Arquivo KML Mapa Dinâmico
Caro leitor, tenha cautela ao utilizar as georreferências, você é o único responsável pelo uso que faz das informações disponibilizadas pelo odois.org. Saiba mais.
Georreferências

Foto²s

Foto² 1
cara, não quero te contrariar, mas eu tenho impressão que não estamos mais na rodovia...

Foto² 2
não, é por aqui mesmo! me segue que hoje você vai ver jesus de um jeito ou de outro!

Foto² 3
o coelho dudu está perdido, ligue os pontinhos e ajude ele a chegar até a antena!

Foto² 4
do cristo se pode ver tão longe que os campos se confundem com colchas de retalhos

Foto² 5
e curitiba, uma estreita linha cinza no panorama, se dissolve no horizonte

Foto² 6
tudo bem, não é o corcovado, mas não dá pra negar que esse cara é monumental!

Foto² 7
e iluminado, também. olha sol, digo, olha só que beleza!

Foto² 8
acho que tem uma pira especial ficar assim, estilo titanic, né?

Foto² 9
é, mas não tem navio e esse não é o di caprio nem de longe...

Foto² 10
tá bom, ninguém consegue ficar tanto tempo de braços erguidos, o senhor ganhou!

Foto² 11
eu tava pensando, até que não foi tão difícil chegar aqui neh, vamo de volta?

Foto² 12
uma bela vista da lapa. lá no fundo. é, é, tão fundo que nem dá pra ver, ok

Foto² 13
eu não disse que era por aqui? agora deixa eu ver como é que vamos descer...

Foto² 14
tim: viver sem fronteiras! de pochete, sim, mas sem fronteiras!

Foto² 15
vai, ingrata, vai! pula, quero ver! e pensar em tudo que eu já fiz por você...

Foto² 16
ah, então é isso? é por ele, então? era isso que insinuavas com esses chifres, marvada?

Foto² 17
tá vendo só? ele tá lá, atrás do mato, com outra! bicicletas são todas iguais...

Foto² 18
esse aí é um velho amigo - bem velho por sinal. tô precisando conversar, pedrão!

Foto² 19
...pois é, pedrão, ando meio desconfiado da preta...

Foto² 20
tá certo, pedrão, não adianta chorar, tem que se animar tocar pra frente!

Foto² 21
ah! olha só! é por aqui que tem que entrar, então! antes do pedágio, ó

Foto² 22
olhando bem, chifre é da natureza das bicicletas mesmo... voltamos. pra casa

Foto² 23
ó o pedrão lá no alto! valeu pedrão! meio parado, ele, mas gente boa

Foto² 24
o cristo, lá longe... é, parece que o monumento da tim é mais alto

Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2016 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0