dia 2introdução

O² Expedição

O Caminho da Graciosa

Conhecido ponto turístico do litoral paranaense, a Estrada da Graciosa é hoje um ícone de preservação natural e cultural. Seus recantos, em meio à preservada mata atlântica, há tempos conquistam turistas em busca do lazer ecológico. Em meio às suas belas curvas e trechos de pavimento original, entremea-se a história da colonização do Brasil. Construída para permitir o acesso ao primeiro planalto, a estrada confunde-se com o traçado do original caminho de tropas que lhe batizou: o Caminho da Graciosa.

Hoje desfigurado, o caminho da graciosa originalmente conduzia do litoral ao primeiro planalto. Posteriormente complementado, atingia os limites de Curitiba nas proximidades do bairro Atuba. Abandonado em prol da utilização do Itupava, o caminho foi revigorado pela construção da Estrada da Graciosa. Trechos do traçado antigo, embora pouco documentados e de difícil identificação, ligam a Estrada da Graciosa à Quatro Barras, bem como esta ao trevo do Atuba.

Fontes: DER-PR e Webhotel.

Definição e Aplicação do PORMAISQUE

Segundo a novíssima revisão da gramática moderna da língua portuguesa voltada ao dialeto cicloturístico brasileiro, pormaisque é uma conjunção coordenativa adversativa empregada na tentativa imediata de correção de orações vexativas.

Ou seja, usa-se o pormaisque sempre que se fala uma cagada, emendando um complemento ou algo engraçado para corrigir ou desviar o foco de atenção, antes que os outros tenham tempo de apreciar sua ignorância. Veja os quatro exemplos a seguir - pormaisque sejam apenas dois...

1. "Vocês não acham que o cheps tava muito quieto na viagem de salto morato? - pormaisque ele não tenha ido..."

2. "Ah, nada como pedalar no domingo de manhã! - pormaisque hoje seja quinta-feira..."

x0
Saída21/01/2006 08:00hCuritiba - Tarumã
Chegada21/01/2006 17:00hAntonina - Ponta da Pita
CustoR$ 0.00Compos+du lulis thiago lindomar
Pedalada90.4 km5h 13'17.3 km/h
ItinerárioCuritiba - BR116 - Estrada Alphaville - Estrada D. Pedro II - PR410 - São João da Graciosa - Antonina

Graciosa e Antonina · dia 1

Em verdade, contávamos com dois amigos que há dias questionavam sobre o caminho velho da Graciosa, mas apenas o Lindomar teve condições de ceder ao nosso convite de última hora (embora o Gilson continue na nossa lista..). Mas em meio ao trajeto ainda coletamos mais um cicloturista, e mais adiante outros dois - ora, vejam, o nosso passeio já conta com sete cavaleiros bicíclides! Enfim chegou o dia em que contaríamos com mais convidados do que componentes em um passeio - pormaisque tenhamos convidado oficialmente apenas o Lindomar...

O trajeto alternativo, atingindo a cabeceira da graciosa sem fazer uso da BR116, nos permite apreciar antagônicas belezas: a região nobre do alfaville contrapondo-se às pitorescas vilas serranas. Após o divertido e numeroso passeio, fomos presenteados com uma magnífica vista durante a descida da estrada da graciosa. Durante a descida ainda contamos com a companhia da esposa do Lindomar, escoltando de carro o grupo.

Despedimo-nos dos convidados em São João da Graciosa, todos animados com os bons frutos do até então passeio, e seguimos para Antonina sob o signo do forte sol onipresente - e de uma forte chuva iminente...

Chegamos ainda cedo ao centro de Antonina, o que nos permitiu uma pausa generosa na antiga estação ferroviária - hoje Museu da Estação. Cientes do provável suplício, decidimos subir ao Mirante da Pedra empurrando as bicicletas carregadas. Depois de muito esforço atingimos o mirante, avistamos com grata surpresa a beleza que se estendia ao longe - mas durante pouco tempo: a chuva dava seus primeiros sinais. Em meio à descida tivemos que parar e nos esconder da tempestade sob nossa lona - acessório realmente indispensável...

Finda a chuva, ainda visitamos os ancoradouros e algumas ruínas (elementos que fazem parte da paisagem da cidade) antes de seguir em busca de pouso. Acabamos por acampar na Ponta da Pita, belo local onde pudemos nos banhar avistando a imensa muralha de montanhas que guarda, passiva, a baía de Antonina. Alentada a alma, restava-nos permitir ao corpo repousar, preparardo-se para subir a serra no dia seguinte...

Foto²s

Foto² 1
próximo ao trevo do atuba, pra não deixar dúvidas de onde começamos

Foto² 2
aproveitando o escasso trânsito da estrada do alphaville

Foto² 3
chegando no centro de 4 barras, à direita (a foto prova!)

Foto² 4
a fabulosa vista da serra amanhecendo... (olha o pp lá!)

Foto² 5
bom, aqui a placa fala por si só, agora não tem mais erro

Foto² 6
na velha graciosa, já com todos os participantes extras

Foto² 7
parada clássica, foto com a trupe completa

Foto² 8
o lindomar camelando na bike do lulis... test drive de alforge

Foto² 9
paisagens campestres, céu impecável e bicicletas... é o éden?

Foto² 10
emocionante presenciar e participar dessa quase caravana...

Foto² 11
se chegando à conhecida estrada da graciosa, pr410

Foto² 12
prossigamos, ainda falta da missa a metade mais divertida

Foto² 13
embasbacados diante dos gigantes da serra do ibitirati

Foto² 14
no 1º recanto, a chance de ver o mar ao longe

Foto² 15
e aquela montanha, qual é? sei não, baixinho, sei não...

Foto² 16
o lindomar com a esposa. e o magrão comendo bala de gengibre

Foto² 17
não sei, confunde, é muita curva... cala a boca e continua descendo

Foto² 18
um e setenta e cinco, dezoito anos, ciclista, hein? ah, sim, é uma ponte

Foto² 19
o morro do sete, perguntando quando a gente volta para subi-lo

Foto² 20
uma pequena amostra das curvas... que violência!

Foto² 21
lindomar, na bike, tentando ver o lindo mar, ao longe...

Foto² 22
agora dá pra entender porque o morro do sete faz sucesso?

Foto² 23
agora somente o o2 (ou 3), no rumo de Antonina

Foto² 24
o museu de antonina, antiga estação ferroviária

Foto² 25
no pátio do museu, exaustos, improvisando um almoço tardio

Foto² 26
de alforge e tudo, subindo o caminho do mirante da cidade

Foto² 27
panorâmica da vista do mirante 5 minutos antes do temporal

Foto² 28
será que uma nuvem nervosa estava exatamente sobre a gente? será?

Foto² 29
depois da chuva, a casa toda pingando escorada na escada

Foto² 30
ok, eu perdi o meu medo meu medo meu medo da chuva, vamos lá

Foto² 31
no ancoradouro, tão secos quanto a lona nos permitiu ficar

Foto² 32
uma das muitas ruinas da cidade, com uma nesga de bom tempo ao fundo

Foto² 33
odois em ruinas... mas a gente supera

Foto² 34
acampando na ponta da pita. da pita, viu. da pita!

Foto² 35
a baía de antonina e a maravilhosa vista das montanhas

Foto² 36
à noite, um olhar poético da prainha ao lado da ponta

· essa expedição não acabou ·

Terminou a viagem por hoje?
Não deixe amanhã de lado: dia 2

antonio carlos provesi
[18/11/2009 10:01h]
que privilégio vocês tiveram nesse passeio. no FACEBOOK do yahoo, mandei essas fotos para gente de todo o mundo, que se comunicam...
Caro leitor, sinta-se livre para comentar sobre esta expedição! Embora o O² não se responsabilize pelo conteúdo dos comentários (vide nossa política de uso), perceba que aqueles julgados inadequados serão enviados ao limbo eterno. Sem volta. Nem pedalando.

o² expedição · cicloturismo | 2003 · 2017 | curitiba · brasil | permitida reprodução desde que citada explicitamente a fonte: odois.org | política de uso | webdesign por lulis

firefox chrome opera ie 8+ CC-BY-4.0